sexta-feira, 17 de julho de 2015

Depressão e Homeopatia

Depressão e Homeopatia

Depressão e Homeopatia

"A Depressão é a pior dor não física conhecida pelo ser humano".
O que é Depressão?
É uma alteração significativa do estado de ânimo, qualificada mais recentemente como distúrbio do humor.
O desequilíbrio das substâncias químicas do sistema nervoso central pode estar por trás das doenças mentais.
As drogas usadas pela psiquiatria afetam os níveis destas substâncias, chamadas de neurotransmissores, pois transmitem sinais elétricos entre as células do cérebro.
Elas são produzidas através dos alimentos e afetam nosso pensamento e comportamento.
O excesso ou a deficiência de alguma delas prejudica a função cerebral, provocando distorções do humor, das percepções e das emoções.
A deficiência de serotonina tem sido associada à ansiedade e à depressão.
O organismo produz serotonina a partir do aminoácido l-triptofano na presença da vitamina b6 (piridoxal-5-fosfato).
O ferro, o cromo, a vitamina c e o magnésio também ajudam a converter o triptofano em serotonina.
Autópsias realizadas em muitos suicidas mostram um baixo nível de serotonina no cérebro.
As drogas antidepressivas funcionam através do aumento do nível de serotonina e norepinefrina no cérebro.
A dopamina está relacionada ao prazer. acredita-se que sua escassez possa resultar em depressão e o excesso em mania.
O caminho para a produção de dopamina começa com o aminoácido fenilalanina e passa pelo aminoácido tirosina.
Dentre outros nutrientes necessários à essa conversão estão as vitaminas b6, c e os minerais ferro, magnésio, manganês, cobre e zinco.
O caminho para a produção de dopamina começa com o aminoácido fenilalanina e passa pelo aminoácido tirosina.
Dentre outros nutrientes necessários à essa conversão estão as vitaminas b6, c e os minerais ferro, magnésio, manganês, cobre e zinco.
Deficiência na transmissão cerebral de dopamina e de noradrenalina pode gerar estados depressivos.
A serotonina está envolvida no ciclo do sono, na regulação términca, no controle do comportamento agressivo e nas oscilações do humor. sua depleção nos neurônios efetores está relacionada a quadros depressivos.
Estimular o humor no sentido antidepressivo através da alimentação significa aumentar a formação e a transmissão da serotonina, dopamina e noradrenalina, envolvendo a administração dos seus precursores : l-triptofano, l-fenilalanina e l-tirosina com o devido complemento de vitamina b6 e cromo.
Na depressão pode haver uma deficiência de vitamina b1, b3, b5, b6, b12, c, magnésio, zinco, ferro e cromo.
Tomando os aminoácidos tirosina e triptofano, tanto os níveis de norepinefrina quanto de serotonina aumentam.
A l-tirosina está envolvida na síntese da adrenalina e os níveis ade drenalina "são quase sempre ínfimos em pacientes com adepressão".
Cafeína, tabaco, álcool e açucar podem ser bastante problemáticos para pessoas propensas à depressão.
Através de estudos foi observado uma sobrecarga de vanádio no organismo de pessoas com distúrbio bipolar, tanto na fase maníaca quanto na fase depressiva.
A vitamina c pode ajudar a remover do organismo o excesso de vanádio.
Muitas pessoas deprimidas melhoram sozinhas, mas a deterioração dos sentimentos pode aumentar, caracterizando uma depressão mais profunda.
Algumas pessoas experimentam uma depressão tão severa, que suas vidas são transformadas, e se esforçam por achar um significado e um propósito para ela. Para estas pessoas existem várias abordagens que podem ajuda-las a sair da depressão : psicoterapia, homeopatia, alopatia, fitoterapia, alimentação natural e várias outras práticas com o corpo como a ioga, etc.
"A depressão severa está sendo reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública neste século".
"A depressão é tão universal como o resfriado comum. pode ser tão superficial que nem mereça este nome... ou pode mudar para o outro extremo, podendo paralisar quase totalmente qualquer ação".
O médico grego hipócrates descreveu a depressão quatrocentos anos antes de cristo.
Algumas pessoas deprimidas são capazes de levar uma vida relativamente normal. Para outras pessoas, todavia, certos estágios da depressão são por demais escuros e vazios para que elas tentem fazer qualquer coisa a respeito. Algumas pessoas conseguem controlar certas situações que contribuem para a autopreservação, como comer e beber; mas há quem fique tão deprimido que perde até mesmo essa capacidade.
Sintomas da depressão
Há muitos níveis diferentes de depressão, desde um vago sentimento doentio até sintomas extremos, como ouvir vozes, ter alucinações e passar por impulsos suicidas que algumas vezes acompanham as depressões mais profundas.
Nos distúrbios depressivos de gravidade moderada as características centrais são humor depressivo, pessimismo, falta de alegria, diminuição da energia. O paciente pode se tornar negligente com sua aparência e o seu modo de vestir.
Os outros sintomas são variáveis e incluem:
  • irritabilidade
  • impaciência, raiva e hostilidade incomuns
  • afastamento social
  • choro
  • perda ou ganho de peso
  • perda de apetite ou excesso de guloseimas
  • falta de concentração
  • incapacidade de tomar decisões
  • desinteresse pelo sexo
  • sensação de impotência
  • violentas mudanças de humor
  • desesperança
  • temor e ansiedade
  • culpa
  • sensibilidade às críticas
  • lágrimas sem motivo aparente
  • sentimento de inadequação
  • mudanças no hábito de dormir
  • desinteresse pelas pessoas e atividades antes consideradas importantes.
  • sentimentos descontrolados de desesepero total
  • retraimento
A mudança no estilo de vida geralmente é o indicador mais claro da depressão.
Em seus piores momentos a depressão assemelha-se a uma nuvem escura e espessa que desce sobre nós de maneira inesperada.
Algumas pessoas notam que o indivíduo está sofrendo por dentro, mas geralmente elas não sabem o que poderiam fazer, como fazer ou dizer.
Outras pessoas, que muitas vezes são os parentes mais próximos, os amigos, insistirão que a pessoa se controle, que ela não tem nada e precisa sair dessa para continuar a viver normalmente.
As pessoas que acreditam em respostas simples estão equivocadas. As frases ditas por elas apenas lançam o indivíduo em uma depressão profunda. O mundo assume uma realidade de isolamento.
É neste mundo em que vive os depressivos.
"Agora estou mergulhando no desconhecido. será preciso muito tempo para que me desvencilhe da tristeza. não há atalhos, será preciso percorrer todo o longo caminho".
Tipos diferentes de depressão
Depressão endógena
A Depressão é considerada como se viesse de dentro da pessoa, é uma indicação que há algum tipo de desequilibro na química do corpo da pessoa.
Para os psicoterapeutas, essas causas podem proceder da infância ou de algum outro trauma que nunca foi resolvido.
Na maioria das vezes os pacientes são tratados tanto por meio da terapia quanto por meio da medicação antidepressiva.
Depressão reativa
Com grande freqüência, a depressão é uma reação a eventos ou a circunstâncias. Quando as coisas importantes nos acontecem, reagimos. A morte de alguém a quem amamos, a idéia de deixarmos o nosso lar, uma doença pode fazer-nos mergulhar no desespero. Parte do nosso desespero pode vir da ira não-reconhecida e também causada pelo temor. Todas essas coisas servem de combustível para a depressão em potencial, visto que não conseguimos controlá-las, recuamos para a depressão reativa como medida de proteção.
O estado de ansiedade
A depressão é freqüentemente invocada como álibi psicológico por quem não quer enfrentar a ansiedade.
As descrições de ansiedade e depressão parecem opostas:
  • O ansioso apreende o futuro apoiando-se no passado, enquanto o deprimido está inteiramente voltado em direção ao passado e não percebe nenhum futuro;
  • O ansioso possui uma grande energia, mesmo se estiver se sentindo bloqueado (inibição ansiosa), enquanto o depressivo vê sua energia sumir (desânimo depressivo);
  • O ansioso procura desesperadamente uma saída, enquanto o deprimido se vê sem saída.
  • O deprimido se sente esmagado pelo presente e se refugia no passado, e o ansioso se sente insatisfeito com o presente e apreensivo quanto ao futuro.
É muito raro encontrar deprimidos que não apresentem nenhuma ansiedade e os estudos epidemiológicos mostram que os ansiosos correm grandes riscos de vir a sofrer depressão se não forem tratados. Os dois estados se misturam no que se convencionou chamar de
Estados ansiosos-depressivos:
  • o ansioso / o depressivo
  • inquieto / tem certeza da infelicidade
  • inibido / desanimado
  • febril / desligado
  • ativo / inativo
  • enerva-se / escarnece a situação
  • fugidio / imóvel
  • oprimido / desesperado
  • irritado / triste
  • não consegue dormir / acorda tarde
  • procura uma saída / não vê solução
  • quer sarar / não quer mais acordar
  • teme a morte / deseja a morte
  • se sente tenso / se sente vazio
  • não consegue se concentrar / não consegue refletir
  • colérico / indiferente
  • suportam mal os outros / se auto-acusa
  • não consegue fazer nada / deseja não fazer nada
  • vê perigos / vê desgraças
  • diarréia / resfriados
  • transpira / frio
Transtorno afetivo bipolar
Num momento elevação do humor, da energia e da atividade (mania) e em outro momento um rebaixamento do humor com redução da energia e da atividade (depressão).
Os três graus de depressão:
Leve, moderada ou grave, o paciente apresenta rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade.
Existe uma alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral a fadiga acentuada, mesmo após um esforço mínimo.
Em geral com problemas de sono e diminuição do apetite.
Existe quase sempre uma diminuição da auto-estima e da autoconfiança e freqüentente idéias de culpabilidade e/ou indignidade, mesmo nas formas leves.
Pode ser acompanhado de sintomas somáticos como perda de interesse ou prazer, despertar precoce, depressão matinal, lentidão psicomotora acentuada, agitação, perda do apetite, perda de peso e perda da libido (desejo sexual).
Na depressão leve ou na moderada o paciente vai perdendo gradativamente a capacidade de desempenhar as suas atividades de rotina.
Na depressão grave surgem vários sintomas como perda da auto-estima, idéias de desvalia ou culpa, idéias e atos suicidas. pode surgir um episódio depressivo grave com sintomas psicóticos, como alucinações, idéias delirantes, lentidão psicomotora ou estupor com impossibilidade de manter as atividades sociais.
Para o médico homeopata o mais importante é identificar o modo reacional de cada um ao meio onde vive, ou seja, os sintomas do paciente.
A seguir descreveremos alguns tipos homeopáticos e como eles fazem seu quadro depressivo.
Depressão Melancólica de Aurum Metallicum
Uma cólera violenta pela menor contradição ou pelo menor obstáculo.
Sua agitação o impede de dormir.
Corre o risco de descompensar devido a um choque afetivo, um fracasso profissional e pela velhice.
Decepcionado consigo, se sente inferior, se diz incapaz de fazer algo de bom, repleto de amargura. evita conversa.
Se torna descuidado com suas roupas e seus modos, sentimentos irracionais de grande culpa, remorso, auto-acusação, delírio de autopunição.
Desgosto pela vida, amargura, misantropia, desespero, pessimismo.
Desejo de morrer, acha que merece a morte, desejo obsessivo pelo suicídio.
Aurum é o medicamento homeopático mais freqüente nos riscos de suicídio quando acompanhado destes sintomas.
Depressão do Espírito de Arsenicum Metallicum
Sente como se tivesse que fugir para longe.
Gostaria de morrer ou dormir e nunca mais acordar.
Sente tanta preguiça que prefere ficar sentado a ir para a cama.
Triste com lágrimas, mas não consegue chorar, mesmo nos momentos mais dolorosos.
Depressão com exaustão, se sente muito deprimido e aborrecido, quer ficar só com dor no coração.
Mal humorado, não quer ver ninguém.
Tem medo de ser envenenado.
Se aborrece por visões, que lhe provocam choro.
Depressão desesperadora de arsenicum album
Queixas e reclamações do deprimido reivindicador.
Astenia, sinal de esgotamento das possibilidades reacionais do paciente.
Angústia intensa.
Astenia, sinal de esgotamento das possibilidades reacionais do paciente.
Diminuição dos interesses, apesar que persiste o desejo de ter uma companhia, quer ser tratado por um médico.
Depressão oculta de lycopodium
Se recusa a aceitar o medo e a humilhação de uma insuficiência psíquica.
Não querem aceitar o apoio psicoterápico.
Silencioso, reservado, distante e solitário.
Retração e desinteresse.
A angústia (com insônias) e a astenia não permitem negar o desmoronamento depressivo.
Depressão secreta de sepia
Enfraquecimento dos interesses habituais pelo trabalho que é a sua grande paixão, junto com sua religiosidade.
A angústia impede o sono, tornando o dia insuportável de viver.
Perda do impulso vital.
Depressão astênica de calcarea carbonica
Astenia, cansaço desproporcional que não aliva pelo repouso, sob a influência de um estresse, sobretudo de natureza afetiva (luto, problema familiar).
Perda dos interesses habituais
Tristeza e retração social, com sentimentos de incapacidade e de vergonha de não poder continuar trabalhando
Revolta depressiva de nux vomica
Não admite estar com depressão, acha que isto é uma desculpa para pessoas sem força de vontade.
Angústia violenta e astenia contra a qual luta tanto quanto pode.
Doente difícil de cuidar, impaciente, infiel ao médico e aos tratamentos.
Sofre pelo fracasso familiar, profissional, humilhação.
Ameaça depressiva de natrum muriaticum
Tenta negar o sofrimento.
Angústia paralisante com mutismo.
Interrupção no trabalho, ritmo de vida acomodado.
Toda situação de sofrimento (luto, agressão, frustração) pode levar a um estado depressivo.
Tem medo da vida ou pensa no suicídio após um sofrimento amoroso.
Falha depressiva de phosphorus
Astenia profunda atrapalhando qualquer atividade, sonolência diurna, lentidão motoro e
 ideativa.
Consciência de estar um "morto-vivo".
Instáveis para seguir regularmente um tratamento.
Perda dos interesses habituais.
Depressão trágica de platina
Nada existe, exceto o eu, o pedestal se desmorona.
Desinteresse, nenhum projeto.
Não tolera o fracasso, a menor ofensa. pode se suicidar por insatisfação existencial.
Crises depressivas de lachesis
Angústia em crises paroxísticas
Delírios sobre ciúmes ou misteriosos complôs.
Possessividade afetiva.
Depressão infantil de pulsatilla
Menina ou mulher infantil
Imagina o seu fim, vive por antecipação com os olhos cheios de lágrimas, com pena de si.
Meu caixão será o meu segundo berço.
OBS.: Estes são apenas alguns dos mais de cem tipos homeopáticos sujeitos a depressão.
Por Carlos Lima Melo
18/03/2007

VÁRIOS " Anais do II congresso brasileiro de prevenção e tratamento dos transtornos de
 ansiedade, depressão e transtorno de pânico" - 
www.olhosalma.com.br - Goiânia 2004 Copyright Instituto OlhosDaAlmaSã

Texto extraído do portaldomarketing.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário